Meu cinema
O Lado Bom da Vida

Média
4,3
3812 notas e 217 críticas
32% (70 críticas)
36% (78 críticas)
19% (42 críticas)
9% (19 críticas)
1% (3 críticas)
2% (5 críticas)
Você assistiu O Lado Bom da Vida ?

217 críticas do leitor

Denise O.
Denise O.

Segui-los 4 seguidores Ler a crítica deles

4,5
Enviada em 14/04/13
Como um filme consegue misturar tantos gêneros e emoções diferentes ao mesmo tempo e de foram tão perfeita! Aos fãs de um gênero sempre muito criticado, pois nem sempre é inovador, assistam é imperdível. Deliciosamente louco e emocionante!
Barboza Wagner
Barboza Wagner

Segui-los 25 seguidores Ler as 58 críticas deles

4,0
Enviada em 04/02/13
Filme muito bom. Bem dirigido, um bom roteiro, divertido, inteligente. Jennifer Lawrence esta digna em seu personagem, ja mostrou que é uma excelente atriz, ja Bradley Cooper me surpreendeu, não imagina que ele era tão bom ator. Atuações ótimas até mesmo dos coadjuvantes Robert De Niro e Jacki Weaver estão ótimos. Uma ótima historia, madura, diferente de todas essas comedias dramáticas/românticas. Vale muito apena acompanhar.
Lívia F.
Lívia F.

Segui-los 5 seguidores Ler a crítica deles

3,0
Enviada em 01/02/13
Quem leu o livro, vai se decepcionar com o filme. [spoiler][/spoiler]
moreiraum
moreiraum

Segui-los 19 seguidores Ler as 32 críticas deles

4,0
Enviada em 23/03/13
Nem romântico , nem drama. Uma comédia sobre superação. Divertido , emocionante, bonito. As atuações são dignas de indicações como fora. O filme te envolve na história, que não perde o rumo ou o sentido em momento algum!
Cadu Pereira
Cadu Pereira

Segui-los 6 seguidores Ler as 11 críticas deles

4,0
Enviada em 22/03/13
*/ ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS /* O que é loucura? O que é razão? O que é sanidade? O que é amor? O que é comodismo? O que é sentimento? O que é relacionamento?....o que é....São tantas as perguntas nos fazemos durante nossa vida, não é? Muitas ficam sem respostas, podemos ter algumas respostas incompletas, ou simplesmente elas podem mudar. Silver Lining Playbook, em inglês, ou O Lado Bom da Vida, não tem a petulância de responder todas as questões que norteiam nossas respostas, decisões e consequentemente nossas vida, mas ele pode ajudar a colocar alguns pensamentos novos e, porque não, alguns questionamentos em nossa cabeça. Vou pular boa parte do filme. Toda aquela introdução de quando Patty - sim, o considero amigo, por isso o diminutivo - saí de Baltimore, chega em casa, o pequeno conflito entre os pais que já é visivelmente abafado pelo vício que De Niro (comentarei sobre De Niro mais para frente) tem pelo seu time de coração. Pulemos para a traição. Mas que porra é essa? Querem prender um cara porque ele espancou o outro que transava com a SUA MULHER, NA SUA CASA, NO SEU CHUVEIRO, COM A SUA MÚSICA DE CASAMENTO? Quem teria culhões de manter a calma nessa hora? Quem conseguiria manter a calma, descer as escadas, sair pela porta da frente e, não faço ideia, ir até a delegacia mais próxima? Você teria essa calma? Não, eu não teria. Graças a isso Patty descobriu sua doença, se tratou e, sinceramente, foi a coisa mais importante que a "amada" Nikki fez por ele em todo o tempo, que devo ter deixado passar pois não lembro agora, que eles ficaram juntos. Nikki criticava seu peso, seu jeito, conformou-se com Patty. Corrigindo. Os dois conformaram-se. O amor que teria que ser um belo sentimento, que seria responsável por unir mais o casal se tornou um fardo, uma obsessão. Um karma. Óbvio que isso não muda o fato de Patty ser bipolar, mas acredito que isso vire um detalhe, quando falamos de uma mulher que traí o marido com a música do casamento. Qual o tamanho desse crime? É possível mensurar isso? Acho que não. Bom, aí temos o encontro do casal. A loucura de Patty é algo mais aceitável, afinal o cara é bipolar. Mas e a nossa amiga Tiffany que transou com as 11 pessoas do escritório, por causa da depressão pós-morte do marido, que ela trabalhava. Ela é mais, menos loucas? Não apenas diferente. Um personagem interessante que não tem problemas psicológicos, mas que consegue compreender, e muito bem, a posição de Patty. Seus medos, suas ações. Consegue olhar para ele e enxergar além do bipolar, enxerga que por trás de tudo isso existem sentimentos, dúvidas, medos - sim, muitos medos - de deixar sua vida para trás, quem ele era e se perder num futuro incerto. Tiffany, talvez por estar muito carente, logo cria sentimentos por Patty por ele ser seu companheiro mais próximo, que não envolvesse sexo casual, nos últimos meses. Patty era mais reticente e levou até o extremo suas dúvidas, até aceitar o que era inevitável, a paixão por Tiffany. Após o desenvolvimento do sentimento, que foi feito de forma muito original. Das breves corridas juntos até as aulas de danças, que podem ser considerados paralelos de um namoro "comum", os dois vão se aproximando e Patty vai deixando de lado algumas obsessões que ele tinha. Vai se abrindo mais para sua família e amigos. Enquanto Tiffany se mostra uma mulher delicada, cuidadosa, carinhosa e a espera de alguém reconheça suas qualidade mas sem que ela tenha que "escancarar para o mundo". Depois disso tem o fim do filme, que é muito mais simples e não tão animador, na minha opinião, quando o "meio". Que foi a parte que mais me prendeu e fez refletir sobre alguns pensamentos pessoais. Sobre o De Niro. Um puta ator? Óbvio. Um marco na história do cinema? Fato. Longe daquelas magníficas atuações? Com certeza. Mas o que eu queria atentar é a falta de qualidade dos filmes atuais para que De Niro possa demonstrar toda sua capacidade e talento. Nesse filme, que é muito bom mas está longe de ser uma obra de arte, ele consegue ser impecável. Complicado achar problemas ou defeitos em sua atuação. Expressões, como sempre memoráveis. Aquela cara de sono dele, enquanto seu filho o acorda as 4h da madrugada para falar de um filme que está lendo, rendeu boas risadas. Bom é isso. Recomendo esse filme. Vale o ingresso.
Estevan Magno
Estevan Magno

Segui-los 73 seguidores Ler as 484 críticas deles

5,0
Enviada em 11/02/13
Um filme verdadeiro e emocionante. Me surpreendi com todos os atores, sensacionais. Bradley Cooper está sensacional como um bipolar, e Jennifer Lawrence tem um novo papel de sua vida. Uma história linda, comédia romantica e ao mesmo tempo um drama épico. Assistiria de novo e de novo, não me cansaria de ver esta obra prima de David O. Russell, parabéns.
Kai E
Kai E

Segui-los 36 seguidores Ler as 250 críticas deles

5,0
Enviada em 14/01/15
Não li o livro. Mais achei o filme ÓTIMO, de todas as formas, desda escolha do elenco, até o roteiro. Recomendo a todos que gostam de um romance ótimo e de com uma ótima trama. (Excelente). Um dos poucos, pelo menos na minha opinião é um dos poucos filmes de romance e drama que merece nota cinco de cinco.
Mariana S.
Mariana S.

Segui-los Ler as 2 críticas deles

2,0
Enviada em 20/10/14
O filme foge muito da história contida no livro. Muitos pontos importantes foram omitidos ou alterados, fazendo com que a essência do livro se perdesse ou ficasse prejudicada. Para quem nunca leu o livro, é um filme mediano. Deixou muito a desejar.
Maya LBS
Maya LBS

Segui-los 1 seguidor Ler as 16 críticas deles

1,5
Enviada em 05/01/14
Ouvi muitos comentários bons do livro, mas optei por assistir o filme, o que acabou sendo um erro. A história é excelente porém colocada em prática não teve um bom resultado. Decepcionei-me muito pois Jennifer Lawrence é uma das melhores atrizes da atualidade e nem isso salvou o filme.
Priscila M.
Priscila M.

Segui-los 10 seguidores Ler as 29 críticas deles

4,0
Enviada em 17/08/13
''You've got to pay attention to signs.'' E de perto, ninguém é normal. História comovente, que trata de superação. Ótimo filme, ótimas atuações. Cooper e De Niro também mereciam o Oscar!
Quer ver mais críticas?
  • As últimas críticas do cinema
Back to Top